Últimos na Humildade

Já aqui disse que um dos meus programas favoritos de televisão é a Liga dos Últimos, programa da RTP N. Pois estava a ver o programa desta semana quando o apresentador anuncia a reportagem “na” Anadia (diz-se em Anadia). Não tenho especial simpatia pela equipa da sede do concelho mas é sempre interessante ver reportagens sobre realidades que conhecemos.

E teria sido uma reportagem interessante não fosse a falta de humildade dos dirigentes do Anadia que não deixaram entrar a equipa da Liga dos Últimos no estádio para captar imagens do jogo. “Estamos à terceira jornada, não somos últimos” dizia o indivíduo que barrava a entrada. Entrada essa que é do direito dos jornalistas e direito esse que nem a GNR presente no local conseguiu garantir (também não se percebe muito bem porquê).

Para que se perceba melhor a situação, o Anadia ia jogar com o Benfica de Castelo Branco a contar para a 4ª jornada do campeonato nacional da II Divisão – Série C, tendo contado os primeiros 3 jogos por derrotas com 4 golos sofridos e nenhum marcado. Eram, portanto, à entrada para a 4ª jornada a única equipa com zero pontos e últimos na classificação. Isto depois de um discurso de pré-época em que afirmavam que iam lutar pelos lugares cimeiros da classificação, logo no primeiro ano depois de subir a esta divisão.

Ficou mal visto o clube e acabou por ficar mal vista a cidade de Anadia que foi retratada (não podendo fazer reportagem do jogo, foram visitar a cidade) como uma cidade-fantasma, o que, diga-se, à noite e nos fins-de-semana não é mentira nenhuma.

Liga dos Últimos

Tenho seguido com algum interesse o programa da RTP N, “Liga dos Últimos”. O programa apresentado por Rui Baptista do Amor e Ócio mostra todas as semanas reportagens sobre clubes que disputam os campeonatos regionais e que ocupam os últimos lugares dos mesmos.

É interessante comparar as diferentes realidades das várias associações, entre si e com aquela que conheço melhor, a AF Aveiro. Distrito de Aveiro que penso nunca ter sido visitado pela reportagem da “Liga dos Últimos” (claro que posso estar redondamente enganado já que não terei visto todos os programas). Aliás, na época passada a A.R. Aguinense teria sido um bom clube para visitar como mostram as mais de 30 derrotas e mais de 100 golos sofridos. Felizmente que este ano já não é assim.

Penso, contudo, que seria interessante alargar o critério e mostrar também equipas dos distritais que têm algum sucesso. Não é só nos clubes do fundo da tabela que existe a carolice e aquelas personagens características (penso que todos os clubes têm, pelo menos, uma ou duas). Mas isso já é a linha editorial do programa que não me compete a mim discutir.