À atenção do Sr. Pedro Henriques

Para que não hajam dúvidas em relação à arbitragem do Sr. Pedro Henriques no jogo de ontem entre o Benfica e o Nacional. Começa pela dualidade de critérios, já que quando a bola toca no braço do jogador do Nacional o árbitro deixou seguir mas quando a bola toca na mão do jogador do Benfica, aí sim, já é falta.

httpv://www.youtube.com/watch?v=CgK81duwhFw

Mas a situação fica ainda mais ridícula quando o árbitro faz declarações à imprensa (por exemplo na SIC, logo no início do Primeiro Jornal) dizendo que é falta independentemente de a acção ser deliberada ou não. Escolha curiosa de palavras dado que a lei 12 do futebol (faltas e incorrecções) diz o seguinte (o bold é meu):

(…)

Um pontapé livre directo será igualmente concedido à equipa adversária do jogador que cometa uma das três faltas seguintes:

  • agarrar um adversário
  • cuspir sobre um adversário
  • tocar deliberadamente a bola com as mãos (excepto o guarda-redes dentro da sua própria área de grande penalidade)

Diz ainda na secção “Interpretração das leis do jogo e linhas orientadoras para árbitros”:

Tocar a bola com as mãos implica um acto deliberado em que o jogador toma contacto com a bola com as mãos ou com os braços. O árbitro deve ter em consideração os seguintes critérios:

  • o movimento da mão na direcção da bola (e não a bola na direcção da mão);
  • a distância entre o adversário e a bola (bola inesperada); 
  • a posição da mão não pressupõe necessariamente uma infracção;

(…)

Penso que não ficam dúvidas em relação ao lance em causa. Golo limpo que devia ter sido validado.

Depois há ainda a questão da expulsão do Nuno Gomes já no túnel de acesso aos balneários. Ainda na lei 12 é dito o seguinte:

O árbitro tem autoridade para aplicar sanções disciplinares, desde o momento que entra no terreno de jogo até que saia após o apito final. 

Ora bem, se o árbitro já tinha apitado para o fim do jogo e se já tinha saído do campo então não tinha autoridade para expulsar mais ninguém. Penso que também não deixa dúvidas.

Nota: As citações são retiradas do documento “Livro das Leis de Jogo 2008” presente no site da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (mesmo da toca do lobo, portanto).

Difícil mas…

Eu diria que o grupo do Benfica é mais chato do que difícil. Teria sido bom evitar as idas à Turquia e à Grécia. Conseguiu evitar apenas uma delas, recebendo o Galatasaray mas ficando ainda a complicada visita ao campo do Olympiacos (este sistema de grupos da Taça UEFA é uma parvoíce).

O jogo teoricamente mais fácil fica para o fim o que pode ser útil caso o apuramento ainda não esteja garantido. Nenhum dos três primeiros adversários é fácil mas todos, em condições normais, estão ao alcance do Benfica.

Ver o Benfica

Hoje é um dia histórico, o primeiro dia de emissão da Benfica TV. Além disso espero que também seja histórico por ser o início de uma campanha europeia excepcional. O adversário é de respeitar e a tarefa é complicada mas o Benfica é o Benfica e ainda por cima joga em casa.

Boa medida do Benfica em transmitir também o jogo pela internet já que pouca gente ainda tem Meo em casa e a maioria dos sitíos públicos (cafés, bares…) ainda tem Zon.

Como provavelmente vou ver o jogo em casa devo fazer alguns comentários (ocasionais, nada de muito intensivo) em tempo real na minha conta do twitter. Podem acompanhar-me em twitter.com/zecipriano

Fecho das inscrições

As inscrições fecharam há pouco mais de uma hora o que quer dizer que os plantéis estão fechados. Ainda estava à espera que o Benfica apresentasse mais um reforço para o lado direito da defesa mas tal não aconteceu. Fica apenas Maxi Pereira, uma adaptação, para fazer essa posição. Na frente, Balboa é o único jogador que joga naturalmente no lado direito. Parece-me curto e corre-se o risco de ter uma equipa com mais tracção à esquerda onde as alternativas são mais abundantes. Felizmente o resto do plantel parece-me mais equilibrado com boas alternativas para praticamente todas as posições.

Benfica – Porto

Um empate em casa nunca é um bom resultado. Seja contra que equipa for. O Benfica mostrou que ainda precisa de crescer e que a sua condição física ainda não está muito boa.

Há agora muito tempo até ao próximo jogo oficial, com o Nápoles a 18 de Setembro, e muito bom trabalho pode ser feito até à viagem a Itália.

Empate com o Rio Ave

Não é uma boa maneira de começar um campeonato mas também não é com este jogo que podemos tirar ilações sobre o que nos reserva o resto do campeonato. Jogo importante (ainda mais depois do empate de ontem) é o da próxima semana.

Continuo a achar um equívoco o posicionamento do Pablo Aimar. Em particular ontem, depois da lesão de Carlos Martins, não percebo como a opção não foi a de fazer recuar o argentino para uma posição de construção de jogo e fazer entrar Nuno Gomes para ocupar o lugar de segundo avançado.

Notas rápidas

Estive algum tempo afastado e não pude comentar, rapidamente, alguns dos assuntos do futebol.

Futebol na RTP. Boa notícia. Principalmente porque isto significa o fim da TVI a maltratar o futebol como o fez durante o tempo em que transmitia os jogos e resumos da liga. Não sei como vai ser a qualidade da cobertura da RTP mas tudo indica que será bem melhor do que a da TVI.

Freddy Adu emprestado. Não percebo como é que o Benfica pode ganhar alguma coisa com este empréstimo. E penso que o mesmo de pode dizer de Fábio Coentrão. Parece-me que se estão a repetir os erros do passado e que jogadores com potencial o vão cumprir para outro lado, ficando nós a ver navios.

Saída do Petit. Um autêntico crime. Provavelmente o jogador menos dispensável do plantel. Isto não augura nada de bom para o resto da época.