Mais um campeonato

Logo da LPFPO que me parece que este novo campeonato vai ser? Não sei, nem ninguém sabe. Por muita análise que se faça só nos jogos a sério é que se vê se a estratégia preparada na pré-época funcionou. Infelizmente, o campeonato português tem tendência a resolver-se logo nas primeiras jornadas portanto não deverá passar muito tempo até vermos uma tendência (seja com uns empurrõezinhos dos árbitros ou com outros erros, mais naturais).

Benfica

Não gostei muito da pré-época. Já não gosto muito quando se contratam jogadores directamente para emprestar a outro clube mas comprar para fazer a pré-época e “depois logo se vê” é muito pior. Depois a dificuldade em apresentar um plantel com portugueses suficientes para cumprir as regras da UEFA. Faz falta ao Benfica pensar o futebol e o seu plantel mais a médio/longo prazo. Planear uma época de cada vez não é a melhor solução.

Apesar disto tudo o plantel parece realmente mais forte que no ano anterior. Melhores jogadores e que dão a possibilidade de apresentar outros esquemas tácticos. Tenha Jorge Jesus capacidade de o pôr a render e temos boas hipóteses de ganhar o campeonato.

Porto

Basicamente o mesmo plantel, a grande diferença está no treinador que é uma grande incógnita. Acho complicado ser grande treinador mas claro que isso depende sempre da quantidade de fruta e café com leite que consumir.

Sporting

OK, levaram nas trombas do Valência e do Málaga e a defesa parece mesmo fraquinha. Mesmo assim pareceu-me um ano em que até tiveram algum juízo nas contratações, principalmente do treinador. Candidatos a fazer um campeonato bem melhor que o do ano passado mas ainda apontados ao 3º lugar.

Braga

Depois da saída do Domingos, foram buscar o melhor treinador possível. Não acompanhei muito, não sei ao certo como ficou o plantel (penso que se falava na saída de alguns jogadores importantes). Mesmo assim devem ser capazes de lutar pelo 3º lugar com o Sporting.

E vocês, o que acham?

Quinze minutos de avanço

Já se dão dois golos de avanço, só pela piada da coisa. Os adeptos sportinguistas e portistas (que agora andam disfarçados de bracarenses) devem ter ficado com uma azia daquelas quando viram o Benfica virar um resultado de 2-0 para 2-4.

Muito bem o Weldon a mostrar que afinal não é ainda uma carta fora do baralho. Esta tem sido, aliás, uma das grandes forças do Benfica, jogadores menos utilizados que quando são chamados não comprometem o rendimento da equipa.

Muito bem o lance do 3º golo, com um grande passe do David Luiz e muito bem finalizado por Di Maria. Dado a técnica que tem mostrado nesta época não me surpreenderia muito se o visse a ser utilizado numa posição mais avançada do campo, à frente da defesa como primeiro organizador de jogo.

Faltam 3 vitórias e 1 empate.

Grande passo em frente

Ontem o Benfica deu um grande passo em direcção ao título mostrando que é a equipa mais forte deste campeonato. Ainda faltam alguns jogos complicados e nas contas do campeonato faltam, no máximo, 4 vitórias e 1 empate mas basta o Benfica continuar a jogar como tem jogado até agora e o campeonato não foge.

Esta vantagem dá até um bocado mais de folga para encarar a eliminatória da Liga Europa. Como diz o outro, por a carne toda no assador.

O método do sorteio da liga

Haverá alguma razão válida para que uma determinada equipa jogue sempre com o adversário com que outra determinada equipa jogou na jornada anterior? Na época 2007/2008 o FC Porto joga sempre com a equipa que jogou com o Benfica na jornada anterior. Desta vez foi por sorteio mas mais uma vez o Porto sai beneficiado porque joga com uma equipa eventualmente desgastada por um jogo complicado na jornada anterior.

Então porque não recorrer a um programa informático para realizar o sorteio? Uma solução deste tipo (em código aberto para ninguém suspeitar de trafulhices) realizava o sorteio em segundos salvaguardando apenas as restrições estritamente necessárias (coisas como não jogar mais que um determinado número de vezes seguidas fora ou em casa). Até se podia aproveitar e acabar com a simetria entre a primeira e a segunda volta, que também de pouco serve.