Europeu a 24

O problema de ter um Europeu com 24 equipas não é o de ter equipas teoricamente mais fracas a participar. Algumas dessas equipas até podem vir a ser revelações. Ou, no mínimo, haver um jogo ou outro mais desequilibrado e com mais golos. A malta gosta sempre de ver golos!

O problema é que a fase de grupos perde algum interesse. Das 24 equipas, 16, dois terços, vão passar à fase seguinte. São muitos jogos só para eliminar 8 equipas.

Valeu o Varela

Golos de Pepe, Postiga e Varela. Dois deles quase nem se podem chamar de jogadores de futebol.

Dois jogos e três golos sofridos de cabeça perto da baliza. Com centrais como Pepe e Bruno Alves não me parece bem, embora ache que no primeiro golo de hoje o Patrício andou um bocado aos papéis.

Andava lá um gajo parecido com o Cristiano Ronaldo mas não sei quem era. Não alinho na conversa de que o Cristiano do Real Madrid é que é bom e de que o da Selecção não faz nada, mas hoje, com cabecinha, aqueles dois lances (principalmente o segundo) eram golos certinhos e matavam o jogo. Valeu o Varela (não é todos os dias que se pode dizer isto).

É o que há

Convocatória da Selecção Portuguesa para o Euro 2012:

Guarda-redes: Rui Patrício, Eduardo, Beto

Defesas: Bruno Alves, Fábio Coentrão, João Pereira, Pepe, Rolando, Ricardo Costa, Miguel Lopes

Médios: Carlos Martins, João Moutinho, Miguel Veloso, Raul Meireles, Ruben Micael, Custódio

Avançados: Cristiano Ronaldo, Hugo Almeida, Hélder Postiga, Nani, Quaresma, Varela, Nélson Oliveira

Olha-se para a qualidade média dos convocados e vê-se que o tempo em que os jogadores da seleção eram quase todos de topo mundial já vai longe.

Com estes, parece que voltámos aos tempos dos Dimas e dos Tavares.

Portugal fora do Euro

Mais cedo do que muita gente esperava, Portugal está fora do Europeu. É uma pena mas é a vida. Uns ganham outros perdem. Embora ache que ainda assim perdemos uma excelente ocasião para ganhar o Euro ou de pelo menos chegar a outra final.

Podemos arranjar muitas razões extra-futebol para o desaire. A novela da ida do Cristiano Ronaldo para o Real Madrid, o anúncio da contração do Scolari pelo Chelsea, etc. De certeza que não ajudaram mas para mim não é claro que tenham sido estas as razões fundamentais para o insucesso. O que é claro é que sofremos dois golos de bola parada e neles (e também durante o jogo com a Rep. Checa) demonstrámos uma fragilidade e uma falta de treino que não é normal, principalmente quando se joga a este nível e se quer ganhar um europeu.

Portugal entra no negócio dos brindes

O jogo era a feijões mas era agradável e útil ter ganho. Uma vitória mostraria que tínhamos um grupo forte no seu todo mas assim mostra-se que as alternativas não são fortes quanto isso. Duas razões ressaltam à vista no jogo de hoje. Primeiro, a falta de capacidade do meio-campo para construir jogo, ou, melhor dizendo, a falta de um jogador que fizesse o papel de Deco. Depois alguns jogadores que parecem não ter vontade de mostrar na selecção os argumentos que mostram nos seus clubes.

Grécia, já foi.

Portugal ainda tem que ajustar contas com a Grécia, e eu preferia que estivéssemos directamente ligados à sua eliminação, mas não deixo de ficar contente por não termos que aturar mais aquele futebolzinho. Ficou demonstrado que o Euro 2004 foi mal ganho e que a Grécia foi a campeã da Europa mais fraquinha da História (e nós não lhe conseguimos ganhar).

Portugal – República Checa

Bem que nos enganaram os checos com a sua exibição frente à Suíça. Apesar do jogo muito complicado, também por culpa de algum desacerto português, especialmente na primeira parte, Portugal acabou por ganhar bem e garantir a passagem aos quartos de final e o primeiro lugar no grupo.

A exibição, embora não tão boa quanto a do primeiro jogo, mostrou que Portugal continua forte e capaz de aguentar o embate, excepto nas bolas paradas, com equipas mais fortes fisicamente.

Agora segue-se o jogo com a Suiça que não serve para mais do que para cumprir calendário, tanto para nós, com o primeiro lugar garantido, como para os suiços, condenados ao último.

Ainda o golo da Holanda

Pelos vistos o primeiro golo da Holanda no jogo de ontem é perfeitamente legal, assim o diz a UEFA. Um jogador para sair de campo tem que pedir autorização e se não a pedir continua a contar como se estivesse em cima da linha. Além disso, o facto de o jogador estar caído (saiu involuntariamente, portanto) não é relevante o que até faz sentido, dado que se ele estivesse caído mas dentro das quatro linhas estaria a pôr o avançado holandês em jogo.

Portanto, um lance perfeitamente legal.

Euro 2008, Grupo C

O Holanda – Itália de hoje é capaz de ter sido o melhor jogo do Euro até agora, ou pelo menos o mais empolgante. Especialmente pelo futebol holandês perante uma Itália praticamente irreconhecível, embora não seja menos verdade que os italianos têm razões de queixa no primeiro golo. (Edit, 10-06-2008: afinal o golo é legal)

E como a França também desiludiu ao empatar com a Roménia, da jornada de hoje sai como grande vencedora a Holanda que será agora a favorita para ganhar o grupo.